terça-feira, 8 de janeiro de 2013

A arte da conquista



Um amigo me disse que eu aproveito os “rolés” para pescar minhas histórias. Ele não está errado. Mas como resistir ao cardápio das relações humanas? Uma das coisas que mais me chamam a atenção é a caprichosa arte da conquista. Assistir a sedução em andamento é um espetáculo. O sorriso que diz “seja bem vindo”, a mão boba e espaçosa, o desvio estratégico e sutil do corpo, o receio de não parecer fácil demais, a preocupação em não errar a dose de ousadia e atrevimento, a escolha dos assuntos, a medida das palavras, o improviso. Afinal, qual a graça de viver se a gente não pode colecionar essas pequenas lascas de felicidade na memória?

Um comentário:

Marianna Campos disse...

Lindo... Me identifiquei com as palavras... Você escreve muito bem, parabéns!