terça-feira, 5 de abril de 2011

Urgências

Ele a puxava para um lado, por tesão, e eu para o outro, por saudade. Ela, de braços abertos, olhava pra mim esperando que eu entendesse a urgência da sua partida. Sob a tenda, uma disputa silenciosa. Em jogo, mais atenção e carinho. O abraço rápido, sem calor e burocrático selou a minha derrota, que já era anunciada antes mesmo do cabo de guerra começar. Na realidade, o primeiro indício de que eu a perderia na multidão foi revelado entre o primeiro e o terceiro bater de pálpebras. Foi nessa fração de segundos que eu li o recado em seus olhos negros: “Desculpa, Celo. Agora não. Vou ali ser feliz e não volto”. Ironicamente o DuSouto começou a cantar “aonde está meu outro par da sandália havaiana”. Comprei mais uma cerveja quente e empurrei goela abaixo o maldito nó atravessado na garganta.

12 comentários:

Anônimo disse...

Bom, meu querido, adorei. Desculpa não ter prestado atenção nesse seu lado poético, cronista. E, não se preocupe, ela sempre volta. Bjo, A.

Marina de Siqueira disse...

=~~

Sara disse...

Que belo texto, Panelovisk. Já tava com saudade de passar por aqui. Beijo

Joana disse...

Ela foi ser feliz e nao vai voltar? Faça o mesmo! ;)

beijos

Isabela Santos disse...

Ah, essas sextas-feiras...

E com licença, vou roubar esse pedaço pra mim:

"O abraço rápido, sem calor e burocrático selou a minha derrota, que já era anunciada antes mesmo do cabo de guerra começar."

Niam disse...

Chega de abraço apertado e de demonstrações pública de carinho, vc anda muito arredio, avesso a gestos comprometedores, então, vale aquele tapinha no ombro?!!! (rsrs)Bjus!

Anônimo disse...

Acho que só nao tem o outro par da sandália Havaiana porque busca a sandália de salto...rsrs

Marcela Ohana disse...

passando pelo seu blog vi esse teexto aqui, http://oquemaisninguemve.blogspot.com/2008/08/da-srie-resgatando-anotaes.html

comentei lá.

não é tudo que me surpreende, parabéns pelos textos, visita lá o meu tb.

Marcela Ohana disse...

cá estou eu de novo, reafirmar minha teoria que poucas coisas me surpreendem.

e uma das suas maiores caracteristicas textuais me chamou atenção, o fato de voce, na maioria das vezes escrever em terceira pessoa, assim como eu.
outra coisa que me encantou foi o toque sensual e presencial de seus textos, o que eé uma caracteristica minha também, voce escreve como se tivesse vivido realmente essas situações, se é que não viveu de fato.
os adjetivos ousados e adverbios bem empregados fazem dos seus textos uma verdadeira mistura de sensações deliciosas de se ler.

Além de voce, ironicamente, ter o mesmo nome que eu.

Parabéns pelos seus textos. há muito tempo que rodo pela blogosfera, e há quase tanto tempo não lia textos que me deixassem com vontade de ler o blog de cabo a rabo.

=D

Marcela Ohana disse...

combinado! =D

Anônimo disse...

pois eh, como eu disse, ela já está voltando... bj, A.

Anônimo disse...

É... parece que vai ter que rolar uma crônica sobre um certo programa de domingo "alternativo"... mas, dessa vez, entre você e ela... (rs) Bjs, A.