terça-feira, 20 de outubro de 2009

Sobrevivência


De tanto voltar para casa de mãos vazias ele desenvolveu um estilo próprio de conduzir a vida. Instituiu a política da não expectativa. Desde então a frustração ficou mais leve, o fracasso mais amigo, a solidão mais reconfortante. Até sorriu depois de levar um “não” retumbante durante o fim de semana. A amiga, que testemunhou a atuação desastrosa do magricela, perguntou com a sinceridade de quem ainda não sabe calibrar o peso de um discurso:

- Como você pode viver por tanto tempo sem ter alguém a quem segurar a mão?

Ensaiou uma resposta, mas só saiu silêncio. Pagou a conta, beijou o seu rosto borrado de maquiagem e suor e caminhou em direção a porta de saída. Para o grande público era apenas mais um homem feliz voltando para casa depois de uma noite de diversão. Tolos. Nem imaginam que aquele sorriso foi a única maneira que ele encontrou de viver na pior.



15 comentários:

marco navarro disse...

sinceramente este foi o melhor blues que vi nos últimos tempos. se bobear, o melhor de todos. um nó na garganta. blues é assim.
M.

Oswalter Segundo disse...

Gostei da "política da não expectativa"............ Em todos os setores da vida, acho que vai bem........ até mesmo em relação a morte!!! KKKKK. Nao é mesmo?

Forte abraço e boas palavras...

Sara disse...

coração apertadinho...

Mila Costa disse...

Já vivi assim, e aviso que reamente funciona, por um tempo...Mas depois você acaba se acostumando e não é tão bom assim.

As vezes se machucar só mostra o valor que é se reenguer ;)

Mas você sabe amo seus posts, inclusive este.

LucéliaMaria.. disse...

Como muitos, me identifiquei taaanto. :) . . .

:*

Luz le Fay disse...

Não sei que loucura humana é essa de não conseguir ser inteiro em si mesmo... O mundo exige, e nós acabamos achando que é a verdade original, que a solidão é um castigo, que só podemos ser felizes segurando a mão de alguém...
O fato, meu amigo querido, é que ecxeto em alguns instantes, somos sós, na vida e na morte. E o amor tá aí nesses instantes breves da vida.
Beijos

LucéliaMaria.. disse...

'Exceto em alguns instantes que somos'² NÓS, é que de fato vivemos e sentimos a vida e a completude vem e nada mais importa, nem que seja por instantes. E... de instante em instante faz-se uma vida. :)

__________________________________
²Parafraseando em parte a Luz le Fay :)

NaNa Caê disse...

ausência de expectativa, final com sorriso do estilo meio canto de boca.

caminhar sem dar a mão para alguem pode ser arriscado:
se voce cai, quem te ajuda a levantar ?
mas se quer ir as vezes mais depressa, quem garante que terá forças para o outro te acompanhar?
(e arrastar pessoas é chato demais, cansativo demais. demais. é o excesso que te sufoca)

Lisa Alves disse...

"e rir das desgraças da vida" As vezes somos personagens o tempo todo. Valeu pela visita a Fábula, adoro sua escrita!

beijos

NaNa Caê disse...

sim ^^

http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=16941335116200817908

Uli... disse...

Amigo Panela... vc sempre pega pesado demais!!

Debora disse...

E eu aqui, sempre me identificando com uma frase ou outra.. Ê menino...


;*

Sara Warjde disse...

este é o meu favorito sem dúvida, vc nunca foi tão direto em relação ao q vc sente. tocou de forma delicada e violenta, nos quatro vetrículos de meu coração.

beijos

Tacinha disse...

Demorei mais passei por aqui... Tu escreves divinamente. E descreves o que muita gente sente ou já sentiu.

Como já disseram algumas pessoas que passaram por aqui... A gente tem duas mãos, uma pode segurar a outra por enquanto, o tempo que for necessário. A vida é isso, amar-se a cima de tudo.

E que quando aparecer uma mão, que seja acompanhada de uma mente inteligente e sensível como a sua.

Priscila Adélia Pontes disse...

bem, esse post fez eu te mandar uma msg às 00h54. precisa dizer mais alguma coisa?