terça-feira, 31 de março de 2009

Mãos caprichosas

Enquanto o tomate padecia sob a lâmina afiada ele ouvia os conselhos e considerações da garota de avental. Sempre pertinentes, articulados, serenos. Poderia passar o domingo inteiro encostado na bancada. Assistindo a escolha dos temperos, a medida certa das porções, o domínio da nobre arte de produzir água na boca alheia. Havia muita doçura naquelas mãos caprichosas. Entre sorrisos, aromas e condimentos ela falou:

- A vida exige uma certa urgência, meu rapaz.

Logo em seguida a primeira lágrima caiu. Depois outra e outra e outra. Não era um choro de tristeza, piedade ou nostalgia. Apenas o reflexo de uma cebola recém-cortada tentando chamar a nossa atenção.

6 comentários:

Anônimo disse...

Esclarecimento: no texto ela corta um tomate, mas a foto mostra um pimentão. Licença poética, meus amigos. rs.

marco navarro disse...

muito massa! velho, não é só o estilo excelente de escrita, mas você tem sempre um coelho na manga nas suas estórias. dei uma boa risada agora. lembrei da frase "você é muito massa!" muito bom, marceleza. valeu.
M.

elis disse...

Obrigada. E aqui, as mãos seguem caprichosas.

Sara Vasconcelos disse...

excelente Panelovisk... essa sua sensibilidade bem humorada de falar do cotidiano sempre me surpreende..
bjo

Mila Costa disse...

Muito bommmm ;) adoro de como escreve sobre situações bem cotiadianas e elas ficam tão lindas :D

Ve Barbosa disse...

;o)

você me surpreende...

Beijos