sexta-feira, 23 de maio de 2008

O fiapo e a colcha (Coleção Fábulas do Cotidiano)



O equilíbrio nunca foi sua maior virtude. Na realidade, ele era um reino de instabilidade de fazer inveja ao subsolo chinês. Mas isso nunca o impediu de fazer amizades. Pelo contrário. A sua lista de amigos era considerável. Aliás, conhecer pessoalmente todas as 277 pessoas cadastradas na sua página do ORKUT era motivo de orgulho para ele. Sim, aquele rapaz era realmente um cara popular. Mas o nosso anti-herói também sentia medo. Um medo danado de rasgar uma colcha de sentimentos que ele vinha costurando para uma belíssima mulher. Mas apesar de ter usado agulha nova e reforçado os nós, um maldito fiapo ficou à mostra. O suficiente para que a Lei de Murphy entrasse em ação. É isso mesmo que vocês estão imaginando. O infeliz fez o favor de puxar a linha e desfigurar parte do mosaico de retalhos. Depois do estrago xingou o pobre fiapo, como se ele fosse culpado por sua falta de tato, cuidado, atenção. Hoje, mais do que qualquer outro dia, ele tenta correr contra o tempo para entregar a colcha na mais perfeita ordem possível. Porque ele sabe o quanto isso significa para ela e o quanto ela significa para ele.

8 comentários:

Uli... disse...

Já começou bem!!

Livia disse...

Digo o mesmo de Uliana....começou bem...hehehe...

Vanessa da Costa disse...

Legal. Vou adionar esse aqui. Bjs!

Ve Barbosa disse...

Muy bueno... nossa.. gostei muito... ;o)

Julia disse...

Que bonitinho...adorei!

Priscila Martins disse...

eu não consegui refazer a colcha, ele também não. e assim chegamos ao fim. talvez não fosse tão importante. :) refiz um blog.
www.transfiguracaocotidiana.blogspot.com. dessa vez não esquecerei a senha! :)

Roberto disse...

Não seria algo inconscientemente proposital, a vontade de esculhambar com a colcha?? heheh
Abços

Marcos disse...

hahahaha.
adorei isso aqui.
linkarei seu blog no meu jááá!

Marcos
www.brancasnuvens.wordpress.com