quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Ele sucumbia ao pânico, ela descansava lívida.

Dois perdidos numa noite suja. Esse era o título da música que tocava quando ele começou a castigar as teclas. A noite já estava alta. O suficiente para trazer o silêncio que ele tanto queria, para embalar o sono dos bêbados e casais de namorados que, de vez em quando, insistiam em brigar embaixo da sua janela. Conferiu a sua caixa de e-mail, os scraps e as últimas notícias. O corpo ainda queimava por dentro. Começou a rir da própria vulnerabilidade e da sua inútil experiência de mais de três décadas. Listou as tarefas pendentes e pediu a Deus serenidade. Só não disse amém antes de dormir porque sabia que o todo poderoso não aprovaria suas terceiras intenções. Mesmo assim adormeceu com um sorriso escroto de cobiça e perversão.

6 comentários:

Livia disse...

Palmas...

Debora disse...

"...um sorriso escroto de cobiça e perversão." adoooro! =)

Bella disse...

escorpiano safado, adorei o texto!
:*

Anônimo disse...

Texto escroto da píula!
Parece uma passagem da vida de Capitu. Deixa Bentinho ler isso que você se ferra.

Dante e tal

Ve Barbosa disse...

eu me acabo com isto... só presta assim!

;o)

Júlia Santiago disse...

hahahahahaahahahahaha
Que massa Panela!
Eu terminei de ler com um sorriso escroto, rindo dá sensação estranha e boa de rir de si mesmo..
Saudades!