terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Revelações


Sempre tive a curiosidade de saber onde acaba o infinito. Descobri a resposta um dia desses. Não, eu não fiz cálculos matemáticos complexos, consultei búzios, cartas, oráculos, profetas ou sábios. Foi um lance de sorte ou obra do acaso, sei lá. Enquanto a banda fazia os ajustes finais pra começar o show eu aproveitei para ir ao bar. No caminho esbarrei com uma garota que saía da fila. Aproveitei a deixa e disse o quanto ela era atraente. Sim, eu já tinha bebido três bohemias. Covardes precisam de estímulos. Ela sorriu e olhou pra o chão, tentando escapar daquela situação embaraçosa. Foi nesse exato momento que o infinito foi revelado. Ele estava lá, sensualmente encaixado entre os seios e a clavícula, tatuado na morena mais bonita da festa.

Um comentário:

Karen disse...

Sutil e certeiro, meu amigo. ;)